Tratamento com Ibogaína

Tratamento com Ibogaína


O tratamento com Ibogaína está cada dia mais presente nas clínicas e centros de reabilitação, sendo que por definição essa é uma planta de origem Africana, sendo que a mesma pode e deve ser utilizada para diversas finalidades, entre elas em especial: o combate à dependência das drogas.

Além do mais, o tratamento com Ibogaína está mostrando enorme eficácia, sendo que a mesma é de até 80% de sucesso principalmente no que se refere a recuperação dos dependentes. Na realidade, várias pessoas ainda não entendem como funciona esse processo, sendo que há necessidade de entender um pouco mais sobre o assunto.

 

Como funciona o tratamento com Ibogaína?

Na verdade, podemos destacar que o tratamento com Ibogaína tem mostrando bastante eficiência, entretanto, é preciso saber mais sobre o que é. Na realidade, a Ibogaína, nada mais é do que um alcaloide indólico psicoativo, sendo que se deriva do caule da raiz da Tabernanthe iboga.

Essa planta tem sido considerada extremamente eficaz principalmente no que se refere ao tratamento da dependência química, sendo ainda capaz de impedir por completo, a famosa síndrome de abstinência de substâncias químicas.

Lembrando que o tratamento com Ibogaína acaba sendo seguido por vômitos em diversos indivíduos. Além do mais, é interessante salientar que o uso da Ibogaína pode ser feito até mesmo em pessoas que estão em quadros de depressão, sendo que os relatos dão conta de que este produto é extremamente psicoterapêutico.

Geralmente, o uso da Ibogaína acaba sendo um enorme facilitador para confrontos diretos com traumas do passado, responsabilidades, medos e ainda a relação com a família. Além do mais, ela é capaz de estimular uma mudança profunda na vida diária, em seu comportamento e dinâmica pessoal.

Porém, é importante ainda seguir o protocolo recomendado para que o resultado esperado seja garantido.

 

Sobre a administração do tratamento com Ibogaína

É importante entender que durante a ministração do tratamento com Ibogaína, o paciente então permanece o tempo inteiro acordado e lúcido, sendo que ainda fica em um estágio de introspecção.

Sendo assim, a ação desse tratamento divide-se em exatas 03 partes:

  • Na primeira etapa, a pessoa passa por algo semelhante ao sonho, sendo que a partir daí os mesmos acabam experimentando apresentações visuais e pensamentos relacionados aos acontecimentos passados;
  • A segunda etapa nada mais é do que um período intelectual ou até mesmo cognitivo, onde as experiências devem ser avaliadas;
  • Já na terceira etapa, há um período de estímulo completamente residual, sendo que em qualquer eventualidade acabará resultando em sono. Após acordar, o paciente acaba notando a falta de desejo de tomar ou ainda de procurar as drogas que o mesmo estava dependente;

 

A Anvisa libera o tratamento com Ibogaína?

A ANVISA permite a importação desse fitoterápico em questão, e está dentro do Decreto de Lei 8077/2013 diretamente no Art. 10, bem no § 2º de acordo com a própria Constituição Federal de 1988, art. 5º, inciso XXXIX.

Sendo assim, é possível fazer uso desse tratamento que tem se mostrado tão benéfico, porém, todo o processo precisa ser controlado pelos médicos das instituições de recuperação.