Clínica Católica para Dependentes Químicos

Clínica Católica para Dependentes Químicos


Num mal que vem assolando diversas pessoas nos últimos anos a clínica católica de dependência química parece ser um caminho mais sensato. Há relatos de dependentes químicos em diferentes faixas etárias, que estão à margem da população, vivendo à mercê da sorte, em lugares abandonados, escuros, perigosos. Essas pessoas se tornaram escravas do seu vício e isso é um sinal de que o fundo do poço está próximo, se não já chegou.

Acontece que tudo começa com uma experiência. Vou fumar um cigarro de maconha apenas para ver como é, qual o sabor e o efeito que dá. E assim vai, um dois, três, depois já não consegue mais controlar o vício, necessitando da maconha para que consiga viver “sossegado”.

Até chegar um momento em que o cigarro de maconha já não faz mais o efeito desejado e a pessoa parte para uma droga mais pesada, como a cocaína. Este que vicia mais do que a maconha, é consequentemente mais letal que a erva tragada. E o vício só aumenta. A cocaína é um pulo para outras drogas ainda mais pesadas, como crack e heroína, que afetam, diretamente, o cérebro.

O crack é ainda pior porque é facilmente encontrado e seu valor é baixo, barato. Com isso, as pessoas se viciam de forma alucinada, e muitos se entregam às drogas, vivendo como verdadeiros zumbis pelas ruas, maltrapilhos e perigosos.

Essa é a sina da maioria deles e um caminho que, infelizmente, só leva a um destino: a morte. Porém, existem pessoas que passam por essas dificuldades e conseguem sair delas, seja por vontade própria, seja por ajuda de uma unidade filantrópica.

Existem algumas clínicas católicas para dependentes químicos. Vamos ver o que elas, de maneira geral, oferecem aos seus pacientes.

Qual é a forma de tratamento da Clínica?

Uma clínica Católica para Dependentes Químicos trabalha baseado no seguinte tripé:

  • Oração – através da oração, o paciente é levado a experimentar uma intimidade com Deus, onde conhece a Sua graça, levando-o a viver sobre as ordens e as leis de Deus;
  • Trabalho e Laborterapia – este trabalho possui três objetivos: manter sempre a mente ocupada, evitando a frase comumente dita na Fazenda: “mente vazia é oficina do diabo”. Se o paciente não tiver muitas atividades para desempenhar, ele se sentirá entediado e a pressão por querer sair do ambiente será maior; desintoxicar, o trabalho, mesmo que não seja pesado, fará com que o paciente sue, se sinta cansado e elimine todos os tóxicos consumidos para fora; laborterapia, essa etapa trabalhará a recuperação, abalará o caráter, compreenderá o que é partilhar, ter cuidado com as coisas, a fraternidade vivida na sua plenitude, a dependência mútua dos seres humanos, aprenderá a trabalhar em grupo, entre outros.
  • Disciplina e convivência fraterna – a disciplina se torna muito importante nesse processo, pois os dependentes perdem o rumo das suas vidas, ficando sem direção. Eles são acostumados a não terem compromisso com nada trocam o dia pela noite, estão sempre mal humorados, criticam, brigam, falam alto, não cumprem com um trato, decepcionam. A disciplina irá trabalhar o caráter dele, o que foi corrompido nele. Fazer parte desta convivência também ajudará a manter compromissos com horários, organizações, arrumar a cama, refeições, atitudes que mostrarão a eles como é bom ter uma convivência fraterna, sadia e harmônica, enquanto estiverem internados e após a sua liberação.

Estrutura

Geralmente, as clínicas católicas para dependentes químicos possuem uma estrutura básica, bem humilde, mas tendo o principal, a presença de Deus. Entendem que é com a simplicidade e a humildade que a clínica quer que os pacientes encontrem o ambiente que for, não um acampamento ou hotel fazenda. Somente dessa forma os pacientes poderão encontrar o que a clínica deseja: a vida nova.
Os pacientes comem sobre a mesa no refeitório, sendo a refeição por eles mesmos preparada. Os alimentos não são controlados, eles podem comer à vontade.
As refeições oferecidas são: café da manhã, almoço, lanche da tarde e janta. A comida é simples, nada chique, sempre contem carne e verduras frescas e legumes, todos colhidos na horta, sem agrotóxicos.
Seus alojamentos são compostos de beliches, onde todos os pacientes convivem, e ainda disponibilizam de uma área de lazer. 

Procedimentos para internar uma pessoa

Se você quiser internar uma pessoa, deverá respeitar os seguintes passos:
1 – A pessoa tem que quer ser internada. Pessoas contra essa vontade não serão aceitas;
2 – É preciso saber se tem disponibilidade de vaga;
3 – Alguns exames deverão ser realizados antes da internação, como HIV, DST, Hemograma Completo, UDRL;
4 – No dia da internação o paciente deverá estar acompanhado de um responsável;
5 – Não são aceitos menores de idade, apenas os que foram encaminhados por um juiz.

O que levar para a internação?

Geralmente quando as pessoas serão internadas, é solicitado que elas levem seus materiais para poder ajudar a clínica e manter a sua obrigação diária. A leva de pedidos é para os primeiros dois meses. Após esse período, a família pode visitar o paciente e, assim, levar para ele os itens que acabam com o tempo.

  • Roupas: 3 calças, 5 camisas, 2 bermudas, 2 shorts, 1 par de chinelo, 2 pares de calçados, 1 casaco, 2 pares de roupa para trabalho e 1 par de botas;
  • Materiais: Bíblia, Terço, envelopes para cartas, caderno, folhas para carta, livros católicos, caneta, lápis, borracha;
  • Roupa de cama: 2 jogos de lençol, fronha, cobertor, toalha de banho e 1 travesseiro;
  • Higiene pessoal: escova de dente, pasta de dente, sabonete, esponja para banho, pente de cabelo, desodorante roll-on, fio dental, cotonete, cortador de unhas, aparelho de barbear;
  • Limpeza: sabão em pó, sabão em barra, escovar de lavar roupa;